4 mitos e verdades sobre crédito com garantia no imóvel

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Muitas pessoas não fazem ideia do que esse conceito engloba. Conheça agora 4 mitos e verdades sobre crédito com garantia no imóvel que vão te ajudar a entender de uma vez por todas o termo.

Mitos e verdades sobre crédito com garantia no imóvel

MITO 01: “Há pessoas extremamente endividadas que acabam perdendo o patrimônio por falta de conhecimento. Em certos casos, usar o imóvel como garantia para quitar outras dívidas mais caras é melhor do que vender o bem a qualquer preço”, diz.

O risco, é claro, tem que ser colocado na ponta do lápis. Como é o seu bem que está em jogo, é preciso se informar e conhecer todos os detalhes do processo. Antes de pegar esse tipo de empréstimo, você tem que checar se ele está de acordo com as suas necessidades e possibilidades. Se for necessário, peça a ajuda de um planejador financeiro para isso.

A falta de conhecimento sobre essa modalidade de crédito gera muitas dúvidas. Veja a seguir o que é mito e o que é verdade sobre o empréstimo com imóvel de garantia.

VERDADE 01: As taxas de juros são menores

Uma das principais vantagens do crédito com imóvel de garantia é a taxa de juros, que é bem menor do que em outras modalidades, como o empréstimo pessoal, o cheque especial ou até mesmo o consignado —essa última é oferecida só a funcionários de empresas privadas, servidores públicos e aposentados pelo INSS.

Veja o juro médio mensal de operações de crédito com imóvel de garantia (o Banco Central não disponibiliza esse dado) e compare com as taxas cobradas em outras modalidades de empréstimos, de acordo com números do BC. A diferença chega a 14,28 pontos percentuais.

Modalidade de crédito>>       Taxa de juros (pré-fixada) ao mês

Crédito com Garantia de Imóvel (CGI)>>      1,96%

Crédito Consignado – Público>>        2,08%

Crédito Consignado – INSS>> 2,29%

Crédito Consignado – Privado>>       2,90%

Crédito Pessoal (CP)>>           4,91%

Cartão de Crédito – Parcelado>>      7,25%

Cheque Especial>>     13,02%

Cartão de Crédito – Rotativo>>         16,24%

A variação é tão grande por um motivo óbvio: o banco tem certeza que vai receber o valor da dívida, mesmo se o tomador do crédito ficar inadimplente. Ou seja, o risco para o banco é zero.

MITO 02: O banco quer tomar meu imóvel

Não, o objetivo do banco não é tomar o imóvel das pessoas. O Imóvel para o banco é igual a rede para o trapezista. Ele quer ter ali, só para garantir, mas não pretende usar.

Isso porque o imóvel para o banco representa custo. Já o empréstimo significa lucro (mesmo com a taxa de juros menor). Quando o cliente não paga e o banco fica com o direito de propriedade do imóvel, ele automaticamente se torna responsável pelos custos de manutenção do bem, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e condomínio, se for um apartamento.

Quando há o calote, é realizado um leilão de venda do imóvel. Se ele for bem-sucedido, o banco fica com a quantia que faltava para o devedor quitar a dívida e o restante fica com o ex-proprietário. Já se o leilão não for bem-sucedido, há uma segunda tentativa. E, se nenhuma das duas tentativas resultar na venda do imóvel, o bem passa a ser 100% do banco e o devedor fica sem nada.

“É muito difícil chegar a esse ponto. Como a operação toda é muito custosa aos bancos, se o cliente não conseguir pagar, as instituições financeiras tentam renegociar a dívida, alongar o prazo para o pagamento, que pode chegar até 20 anos, ou até oferecer um período de carência até que ele consiga se reorganizar financeiramente.

VERDADE 02: Mesmo com o imóvel de garantia, devo comprovar renda

Este é um erro comum de quem pensa em pegar um empréstimo com imóvel de garantia: achar que não precisará comprovar renda. Na verdade, será preciso, sim. A lógica é simples: como assumir o imóvel do devedor é uma operação custosa aos bancos, eles acabam ficando mais criteriosos para conceder esse tipo de crédito.

MITO 03 Não posso vender o imóvel que foi usado como garantia

Se você colocar o imóvel como garantia de um empréstimo, isso não significa necessariamente que será impossível vendê-lo, mas o processo vai ser diferente do convencional.

São duas operações que ocorrem de forma concomitante. Primeiro, você negocia a venda do imóvel com o comprador e esclarece que parte do valor terá que ser usada para quitar a dívida com o banco, a qual tem como garantia o próprio imóvel. O comprador quita o saldo devedor e espera que o banco dê baixa na alienação fiduciária. O comprador pode, então, pagar o restante do valor do imóvel para o proprietário e passar a propriedade para seu nome.

É importante que as partes envolvidas na transação procurem auxílio de advogados para se certificar de que todos os passos sejam seguidos. O proprietário do imóvel não conseguirá, de forma alguma, vendê-lo sem antes quitar o seu débito com o banco e sem o termo que comprova esse pagamento.

VERDADE 03: Não posso colocar meu imóvel como garantia de uma 2ª operação

Esta é uma determinação do órgão regulador: cada imóvel só pode estar alienado para uma única operação. Ou seja, você não pode colocar como garantia de um empréstimo o mesmo imóvel que já está sendo usado como garantia em uma operação anterior.

MITO 04: O imóvel usado como garantia tem que ser meu

Não necessariamente o imóvel que servirá como garantia do empréstimo terá que ser seu, mas o dono do bem deverá estar de acordo com a operação e sua assinatura vai também estar no contrato. Ele é o chamado interveniente garantidor, ou seja, também entra como responsável financeiro pela dívida.

VERDADE 04: Só vou conseguir pegar empréstimo de até 60% do valor do imóvel

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments